Suspensão de canotes são realmente eficientes?

canote destacada Não é raro receber o questionamento de algum cliente referente ao sistema de amortecimento de canotes. A principio somos induzidos a um pensamento de que canotes com sistemas de suspensão são confortáveis. E isso é pode até ser verdade quando pensamos em conforto e amenização do impacto diretamente no glúteo e coluna vertebral.

Mas esses sistemas são eficientes?

Depende.

A maioria dos sistemas são pouco eficientes no que se trata de eficiência da pedalada. Certa vez ouvi de um cliente: “Pra que vou investir milhares de reais em uma Bike Full Supension se consigo o mesmo resultado com uma suspensão de canote?”

Mas é claro que não. Quando uma suspensão de uma Bike Full Suspension trabalha, o triângulo traseiro move inteiro, e como o sistema Pedevela + Seat Tube + Canote + Selim estão inseridos no triângulo traseiro, então não é modificado nem a extensão da perna, muito menos a amplitude da pedalada. Dessa maneira os impactos são absorvidos sem que o ciclista perca potencia ou cadencia da pedalada. O que sofre variação em um Full Suspension como o trabalho da suspensão é a distância do guidão ao selim, angulo de inclinação do tronco do ciclista em relação ao solo, angulo do seat tube e grau de inclinação do bico do selim, mas essas variações são facilmente previsíveis por um bom Bike Fitter (profissional em Bike Fit). Assim o posicionamento é realizado de modo a ter o máximo de eficiência com as variações de ângulos proporcionados pelo trabalho do SAG da suspensão.

É importante ressaltar mais uma vez que: A distância entre o topo do selim e o pedal no ponto mais baixo da pedalada não variam com trabalho da suspensão de uma Full Suspension.

Já na maioria dos amortecedores de canote a altura do selim muda quando ele trabalha, e isso influencia negativamente a eficiência da pedalada, já que hora a cada momento o ciclista apresentara uma variação para a extensão da perna e amplitude da pedalada. Essas variações ocasionam sistematicamente a perda de potencia aplicada ao pedal.

Mas esses sistemas são confortáveis?

canote 01 canote 02

O maioria dos modelos funcionam como uma mola, que em boa parte dos casos, quando submetidos a “uma pancada forte” comprimem totalmente gerando um impacto ainda maior no glúteo e coluna vertebral. A sensação é análoga a uma turbulência aérea. É como se de repente o selim desaparecesse e o glúteo caísse em queda livre, sendo interrompido bruscamente pelo impacto do selim ao final da contração do sistema de amortecimento.

canote 04 canote 05

Alguns sistemas mais modernos, a ar ou óleo são mais suaves na absorção do impacto, mas apresentam a mesma ineficiência na geração de energia da pedalada.

canote 06

Sistema de Absorção de Impacto

Agora outro ponto que precisamos deixar claro é a diferença entre sistemas de amortecimento e sistemas de absorção de impacto. Algumas marcas apresentam sistemas de absorção de impacto que são extremamente eficientes. esses sistemas não trabalham com compressão e expansão e sim com materiais e formas que absorvem a trepidação e irregularidades do solo.

Ao longo dos anos, tenho ouvido de muitos clientes do #ecmbf – Estúdio Carlos Menezes de Fit, que trocaram suas bikes de quadro de alumínio por bikes de quadro de carbono, relatar a sensação “estranha” ao pedalar. Tanto que um dos maiores ganhos dos quadros de carbono não é o peso, já que alguns quadros de alumínio são mais leves que muitos quadros de carbono. O maior ganho é conforto na absorção de impacto. Recordo-me de um certo cliente que trocou alumínio por carbono relatar que a Bike é tão suave na absorção de impacto que ele chegou a parar várias vezes para verificar se o pneu estava murcho ou furado.

canote 03

Sistema de Canote Retrátil

Quando falamos em sistemas de amortecimento de canotes, isso nada tem a ver com os sistemas de canote retrátil para Mountain Bikes, o qual permite que o ciclista regule o selim em diferentes posições durante a pedalada. Esses sistemas não tem como objetivo absorver impacto e sim ajudar o ciclista a ajustar seu selim para diferentes necessidades. Como por exemplo ao entrar em um single track ou percurso técnico onde não precisara ficar sentado para pedalar ou mesmo tendo a necessidade de algumas vezes “cutucar”o pé no chão para melhor controle da Bike. Algumas regulagens para bom desempenho dificultam que o ciclista lance seu corpo atras do selim em descidas técnicas e com isso esse sistema. E nesses casos esse sistema cai como uma luva. O que precisa ser avaliado é o custo X benficio entre peso X funcionalidade X uso X peso.